Pornocrônica

Desde que cheguei à banca não se vendeu mais nenhum exemplar das revistas e dvds pornográficos. Não por eventual ataque de moralismo da jornaleira. Talvez por constrangimento dos clientes.

Pra quem não conhece, banca vende revista em consignação. Devolve o que não foi vendido. É um trabalho miúdo, chato e importantíssimo o da devolução do que ficou encalhado. Não devolveu, pagou.

Na semana passada, sumiram dois exemplares do Guia do Orgasmo Feminino. Dele e só dele. Se eu soubesse que eram objeto de desejo, tinha exposto as obras em lugar de mais fácil acesso.

Para não constranger os senhores, as senhoras e as crianças que frequentam a banca, os títulos picantes ficam no ponto mais alto da prateleira, num canto onde só os olharem mais desejosos conseguem alcançar.

(Pornoparênteses para alguns dos títulos: Alucinada por frango assado, Traveca na escadaria do prédio e O importante é botar na urna são alguns dos títulos disponíveis. Seriam pornográficos, não fossem bisonhos.)

Na respeitável banquinha da 308, o que mais se vende são palavras cruzadas, seguidas de revistas de celebridades. Fico pensando que, quando não houver nem títulos safados nas bancas, haverá palavras cruzadas. É o papel para além da leitura. Há um jogo lúdico que envolve o tato e a escrita, a caneta e o papel, o raciocínio e a abstração do manuscrito que talvez deem mais longevidade aos impressos.

Já tentou fazer cruzadas online? Parece uma viagem do nada a lugar nenhum. É onde o virtual se realiza no que de mais vazio ele tem. Como o Sexo tecnológico, título de uma das matérias pornôs.

E se os adultos fazem de conta que não veem as revistas pornográficas, as crianças tiram proveito. Dois meninos, de aproximados sete anos, chegam à banca com o pai, compram chiclete, folheiam gibis, mangás e revistas de games. Pouco antes de sair, um deles cutuca o outro e lança o olhar para as publicações proibidas. Gargalham. Entram no carro e pedem, já longe da senhora jornaleira: Pai, compra a revista da mulher com a bunda de fora! Mais gargalhadas.

 

 

 

Anúncios

Um comentário sobre “Pornocrônica

  1. Pudera né Conceição? Com o advento do sexo total na web (onde se encontra de tudo e de todos), até mesmo a Playboy desistiu de estampar mulheres nuas em suas páginas, tamanha desleal concorrência. Vamos ver se os homens continuam comprando a revista pela excelência de suas entrevistas, como era sobejamente alardeado por aqueles flagrados com um exemplar na mão. Eram tempos mais românticos…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s